Parto humanizado ganha cada vez mais adeptas

O nascimento é um momento de grande emoção para a mãe e de extrema importância na conservação da saúde do bebê. Técnicas antigas utilizadas indiscriminadamente traziam alta mortalidade infantil e problemas de saúde para o recém-nascido, além de aumentar o risco de traumas e óbito materno.

Cada vez mais as gestantes buscam uma clínica de obstetrícia com a intenção de ter um melhor atendimento e o parto humanizado. A humanização da saúde como um todo e em especial do parto é assunto corriqueiro e deve ser pesquisado pelas gestantes. A violência ginecológica vem sendo denunciada com maior demanda atualmente e abriu espaço para discussões sobre o tema e novas regras.

A partir de 2015, os planos de saúde serão obrigados a divulgar o número de partos normais e de cesáreas realizados por cada médico e hospital conveniados. A medida visa alertar as gestantes sobre o alto número de cesáreas realizadas no Brasil e estimular o parto normal. Outra iniciativa do setor é a inclusão das doulas (parteiras) no serviço público e a humanização do parto.

A gestante tem direito de ter um acompanhante no momento do parto, inclusive em hospitais públicos. Além disso, a intervenção cirúrgica só deve ser feita em casos necessários ou quando for da preferência da parturiente. O parto humanizado também envolve maior contato entre mãe e recém-nascido, fortalecendo assim os laços maternais e ainda a mamada na primeira hora de vida. O parto humanizado prioriza a saúde e os laços afetivos da parturiente e do bebê, com ambiente calmo e sem intervenções cirúrgicas ou medicamentosas, como os remédios utilizado para induzir o parto ou diminuir a dor das contrações.

Apesar da indicação dos órgãos internacionais de saúde, alguns problemas podem impedir o parto normal e humanizado, como falta de posição do bebê, falta de líquido amniótico e pressão alta da gestante.  Nesses casos a intervenção cirúrgica é necessária e deve ser comunicada à gestante de forma calma e acalentadora, sem causar traumas psicológicos na parturiente.

No comments yet.

Deixe uma resposta

*