A origem das facas para sashimi

As diversas técnicas artesanais para realizar a produção de facas vem de uma origem desde o século 14 depois de cristo na China, onde com o passar do tempo diversas técnicas acabaram sendo herdadas de ferreiros que criavam espadas samurais há mais de 1 mil anos atrás. Em toda a modernização do Japão e da China durante o século 19, o ato de carregar espadas por samurais começou a se tornar algo ilegal e proibido. Por isso grande parte dos ferreiros começaram então a criar facas para sashimi e ainda outros tipos de facas diferenciadas, tanto para não perder dinheiro como também para produzir as espadas.

Assim como diversos outros tipos de artes japonesas, as técnicas de cutelaria já tem milhares de anos de experiência e conhecimentos que são acumulados por orientais e são passados principalmente de geração para geração. Os vários segredos da fabricação destes tipos de instrumentos de corte acabaram por sua vez sendo transferidos de gerações em gerações de mestres para aprendizes. Existem cidades no Japão por exemplo que são muito conhecidas no mundo inteiro por seus trabalhos voltados com metal. Devido a toda a sua construção de templos para imperadores japoneses, os melhores ferreiros do Japão sempre se deslocavam entre as cidades, e por isso na cidade e nas redondezas é possível se encontrar os melhores artesãos do Japão.

Qual o material que são feitas as facas

As facas para sashimi são feitas de tipos de aço de diferentes tipos, sendo revestidas com aço resistente e um núcleo que tem uma formação de aço mais flexível.

Como realizar o fatiar dos peixes

Levando em conta as técnicas de cortes existentes de sashimi são vários tipos de cortes clássicos mas dois tipos destes cortes são os considerados mais comuns.

Os cortes em formatos de quadrado ou retangular são indicados para peixes que tiverem a carne mais lisa como, por exemplo, o atum.

Os cortes de tamanho em transversal é indicado para outros tipos de peixe, como os peixes brancos de algumas espécies específicas.

 

 

No comments yet.

Deixe uma resposta

*