Amenorreia: Causas, sintomas e tratamento

O que é? A amenorreia é um sintoma que ocorre na mulher e corresponde essencialmente à ausência da menstruação, ou porque ainda é adolescente e ainda não atingiu a menstruação, ou porque a mulher deixou de menstruar de um momento para o outro, por alguma razão. Em ambos os casos, é preciso determinar a causa de amenorreia.

Amenorreia é a falta da menstruação na mulher durante pelo menos seis meses seguidos

Pode ser normal (fisiológica) ou ser indicativa de doença (patológica). Deve ter como primeira causa a suspeita de gravidez mas existem outras condições que podem ser acompanhadas de amenorreia. Existe um esquema de orientação para a investigação das causas da amenorreia e, dependendo das mesmas, elabora-se o tratamento.

Quais as causas

ovário

O ciclo menstrual depende da integridade de estruturas orgânicas e do correcto funcionamento de hormonas que são libertadas. Este ciclo está condicionado pelos seguintes órgãos:

Hipotálamo – localizado na base do cérebro, produz as hormonas que libertam as gonadotrofinas hipofisárias.

Hipófise – a sua porção anterior (adenohipófise) liberta as gonadotrofinas LH (hormona luteinizante) e FSH (hormona foliculoestimulante).

Ovários – sob a acção das gonoadotrofinas hipofisárias, produzem um óvulo e durante este processo libertam estrogénios (FSH) e progesterona (LH).

Útero – a camada mais superficial que recobre a cavidade uterina e que se designa de endométrio, responde à acção das hormonas produzidas pelos ovários. A menstruação não é mais do que a descamação do endométrio caso não tenha ocorrido uma gravidez.

Vagina – a permeabilidade da vagina é importante para a libertação do sangue menstrual.

Portanto, excluindo uma gravidez, qualquer anomalia que atinja as estruturas acima referidas, ou qualquer alteração na produção das hormonas atrás referidas, podem conduzir a uma amenorreia.

Quais os sintomas de amenorreia

amenorreia causa dores abdominais

Obviamente, o sintoma principal da amenorreia é a ausência da menstruação na mulher. Outros sintomas podem ser, vômitos na gravidez, por exemplo. Em amenorreias por distúrbios hormonais, ginecológicos ou endócrinos, a própria amenorreia é um sintoma.

Exceto em situações fisiológicas, a amenorreia é uma manifestação de uma alteração hormonal subjacente e, na maioria dos casos, a supressão de estrogênio e progesterona é o principal problema.

Portanto, muitas mulheres sofrem durante a regressão dos caracteres sexuais (redução da mama, perda de cabelo, …) e alterações metabólicas de alguma importância, como a osteoporose por exemplo. Desta forma, em mulheres com amenorreia prolongada deve ser avaliada a densidade óssea dos ossos, independentemente da sua idade.

Outros sintomas que por vezes acompanham a amenorreia, mas sempre dependem da causa que provoca a falta de menstruação são, secura vaginal, ganhos de peso ou perdas de peso significativas, hirsutismo , galactorreia (quando os seios de uma mulher que não está grávida secretam leite materno), desconforto abdominal cíclico sem sangramento, dores de cabeça, acne …

Diagnóstico de amenorreia

amenorreia

Existem dois tipos de amenorreia: primária – uma mulher que nunca menstruou; e secundária – uma mulher que já teve perdas menstruais e por qualquer motivo deixou de menstruar pelo menos durante 6 meses.

A ausência da menstruação estabelece o diagnóstico, havendo então necessidade de esclarecer a origem da amenorreia.

É fundamental excluir uma gravidez – teste imunológico de gravidez e/ou ecografia ginecológica com sonda endovaginal.

Não sendo uma gravidez, devem ser requisitados exames que nos permitem avaliar a causa:

Observação ginecológica – para excluir anomalias orgânicas da vagina ou do útero, que podem impedir a saída do sangue menstrual.

Ecografia ginecológica – para avaliar a morfologia uterina e ovárica.

Análises hormonais – LH, FSH, estradiol, progesterona, androgénios, função da tiroideia e prolactinémia – permitem avaliar a função da hipófise, dos ovários, da toroideia e excluir a possibilidade de existirem lesões da hipófise produtoras de prolactina em excesso (prolactinomas).

TC (tomografia computorizada) da base do crânio ou ressonância magnética – permitem excluir tumores da hipófise.

Teste da progesterona – trata-se dum teste diagnóstico e terapêutico que permite avaliar se o endométrio responde às hormonas dos ovários.

Histerosalpingografia – consiste na visualização do útero e das trompas através dum método radiológico com contraste. Esta técnica é recomendada na suspeita de malformações uterinas. Pode fornecer uma orientação para eventual correcção cirúrgica da anomalia.

Como se desenvolve

A amenorreia pode associar-se a infertilidade, com diminuição da capacidade de fertilização da mulher.

Tratamento para amenorreia

medicamentos hormonais para tratar a amenorreia

O tratamento depende essencialmente da causa de base mas, na maioria dos casos, o tratamento da amenorreia é hormonal. Pode haver necessidade de administrar estrogénios e progestagénios para regularizar os ciclos menstruais; inibidores da bromocriptina para bloquear a produção de prolactina; e gonadotrofinas hipofisárias sintéticas para estimular a produção das hormonas ováricas.

Na presença de doenças genéticas pode haver necessidade de recorrer à administração de corticóides.

O tratamento da amenorreia pode inclusivamente fazer parte das técnicas de procriação medicamente assistida.

A amenorreia associada a tumores do sistema nervoso central pode ser resolvida por cirurgia com a remoção da lesão tumoral.

Nos casos em que existem anomalias do aparelho reprodutor, pode haver necessidade de corrigir cirurgicamente as mesmas.

Outros Aspectos

A amenorreia pode ser acompanhada da ausência das características sexuais secundárias. Nestas condições, deve-se explorar a existência de doenças genéticas. Pode também ser um dos sintomas que acompanha a anorexia nervosa ou a obesidade, podendo ainda surgir nas atletas de alta competição.

No comments yet.

Deixe uma resposta

*