Casa dos Varais – vista sobre o Douro

Casa dos Varais – vista sobre o Douro

À beira do rio Douro, com vista sobre o Peso da Régua, fica a Casa dos Varais, há 200 anos propriedade da família Coutinho. É uma típica casa de quinta daquela região. Sem grande fausto. Mais prática do que pomposa. Ainda hoje produz vinho do Porto e vinho de mesa, com o rótulo de Casa dos Varais. Mas, há 20 anos, como aconteceu com muitos dos solares portugueses, começou a fazer turismo de habitação.

English: Peso da Régua, Portugal

Image via Wikipedia

Está aberta de Abril a Outubro e recebe, sobretudo, visitantes ingleses e holandeses que, apreciadores de vinho do Porto, querem conhecer de perto o ambiente em que esse néctar é produzido. Os clientes portugueses são muito raros. A Casa dos Varais tem três quartos, todos no seu interior, disponíveis para turismo de habitação. Como já se disse, esta casa está há dois séculos na família Coutinho, mas hoje, o mais conhecido dos seus habitantes é o general Carlos Azeredo.

Em 1944 a casa ardeu e ficou completamente destruída. Durante meses os seus donos tiveram de se mudar para outras propriedades que tinham no Douro. Mas a reconstrução começou imediatamente e a traça original do edifício foi mantida. No entanto, a ocasião serviu para aumentar o número de quartos. Como todas as casas do Douro, tem uma sala de jantar enorme, que servia de ponto de reunião da família durante as refeições. Tem várias salas para receber visitas, para estar, para o piano. Ter entrado no turismo de habitação não modernizou muito a Casa dos Varais, que assim, no fim do século XX, continua a mostrar um estilo de vida muito idêntico ao que existia há 50 anos atrás.

E esta faceta é uma das mais engraçadas e mais atraentes desta casa. Outra das curiosidades é a pequena capela onde, no altar-mor, existe uma Nossa Senhora das Brótolas, uma imagem rara. Sabe-se que há uma igual em Goa. Conhecer a Casa dos Varais permite ficar a saber como vivem, ainda hoje, algumas das famílias aristocráticas do Douro, que se dedicam à produção de vinho do Porto segundo a ancestral técnica da pisa das uvas. E, pela sua excelente localização, um fim-de-semana aqui passado abre amplas possibilidades de se descobrir uma das mais belas regiões de Portugal.

De Lamego a Pinhão, de Provezende a Vila Real. Uma quantidade de novas estradas encurtou substancialmente as distâncias e veio facilitar muito as deslocações. Assim, três dias bastam para uma aventura no Douro. Porque se é verdade que a Casa de Mateus é o bilhete-postal daquela zona, não é menos verdade que há centenas de outras casas que vale a pena ver. Tal como igrejas, antigos conventos, pequenas aldeias. E seja qual for a altura do ano que escolha para ir aos Varais, os campos à sua volta mostrar-lhe-ão, sempre, as vinhas em socalco no seu máximo esplendor. Porque em Abril as folhas estarão verdes e frescas, acabadas de nascer. Para daí até Outubro, altura em que esta casa fecha, se irem tornando encarnadas, amarelas, oiro.

Por tudo isto e pelo muito que pode descobrir por si próprio, lhe recomendamos a Casa dos Varais como uma das casas da rede de Solares de Portugal. É sempre bom cortar a rotina e o stress com um fim-de-semana diferente. E porquê deixar que só os ingleses e os holandeses descubram os mistérios desse vinho excelente a que todos chamamos “do Porto”, mas que no Douro, onde as uvas nascem e o vinho é feito, se chama simplesmente “generoso”…

No comments yet.

Deixe uma resposta

*