Dicas de interrogatório para detetives particulares

Se há um aspecto complicado que teremos de enfrentar em um ponto de vista, este é sem dúvida o interrogatório de partes e testemunhas. Quando e o que perguntar, em que ponto deve cessar o questionamento ou a forma de fazer as perguntas são perguntas que nos assaltam no nosso dia-a-dia nos tribunais.

O objetivo destas linhas é dar algumas respostas práticas para essas perguntas e mostrar o que os verdadeiros detetives particulares fazem no mundo real.

Técnicas de interrogatório

Passo a passo do interrogatório

  1. Usando uma linguagem clara e simples, sem avaliação. No processo civil, as perguntas têm de serem feitas em afirmativa. Eu não sou a favor da fórmula ” não é mais verdadeiro do que ” usado por alguns colegas civilistas reminiscentes do processo civil na escrita.
  2. Não realize perguntas capciosas, impertinentes ou sugestivas: considerando que já preparou a entrevista com a testemunha, que não faz sentido fazer perguntas sugestivas de que todos eles fazem é dar credibilidade ao tribunal, além de expor as objeções do advogado e a mão do juiz, um fato que sempre significa quebrar o ritmo do questionamento. Uma exceção a esta regra é nos interrogatórios iniciais sobre a situação pessoal e do fundo. Em tais casos, a resposta induzida acelera o testemunho.
  3. Dê a oportunidade de a testemunha falar, se ao final de seu interrogatório tudo ficar confuso ou pouco claro, reconduza a situação através de novas perguntas ou retorne para reformular a pergunta. Nunca perca a calma.
  4. Ouça com atenção as respostas; anotar: isso é importante que nós sejamos muito conscientes do conteúdo das respostas, tentando ao mesmo tomar notas para alegações finais. Caso contrário, gera a sensação de que não estamos interessados, ou que todas as respostas estão preparadas. Além disso, as respostas da testemunha vão ajudar-nos a raciocinar as conclusões finais.
  5. Informar o testemunho do conteúdo da Lei Geral que irá pedir ao juiz o início do interrogatório, ao que parece para nós base, uma vez que o juiz vai perguntar, entre outras questões, o relacionamento com as partes e sobre a sua participação direta ou indireta do resultado do procedimento. Confrontados com esta pergunta, a resposta deve ser sempre não, porque se você responder que sim, ou ambígua, o seu testemunho será falho e enfrentamos que não é levado em conta na sentença.
  6. preparar cuidadosamente o nosso cliente e testemunhas. Não deixe nada ao acaso, deixe de rever os fatos e as questões e cruz – exame que fazemos deles, mostrar-lhe os documentos relevantes para a nossa defesa, também no palco, como ele vai desenvolver o julgamento, comportamento, vestuário, etc.
  7. desacreditar o testemunho adversária em numerosas ocasiões nós fomos bloqueados quando nós terminar de ouvir uma testemunha que tem minado a nossa linha de defesa. Que devemos fazer? Rebater na medida do possível que o senso de coerência e um pouco de psicologia.
  8. Desafiando um testemunho negativo,  cada pessoa interpreta a mesma realidade de maneiras diferentes, porque cada um de nós é definido em detalhes diferentes, além da suplementação com comentários feitos por outros participantes nos eventos, portanto, pode estar interessado em mostrar que não era tão seguro como acreditava a ser interrogado por meio fechado, que tende a provar um questões limitações sensoriais (idade, deficiências auditivas ou visuais), dificuldades ambientais para ver ou ouvir o que ele disse que viu e ouviu, o tempo decorrido desde a dia do incidente até a audiência ou mesmo potenciais problemas em entender que você pode ter a testemunha, na linguagem, controle de tempo, etc.
  9. A máxima não devemos esquecer. Se, apesar das declarações do Conselho anterior, vemos nenhuma maneira de atacar a testemunha hostil, não podemos forçar o interrogatório, dizer que de “nenhuma pergunta”.
  10. Nunca faça uma questão em aberto, perguntas destinadas a encontrar respostas no extenso questionamento, uma testemunha da outra parte, ou seja, uma testemunha hostil.

No comments yet.

Deixe uma resposta

*