Ilhas do Arquipélago dos Açores: Fotos das 9 Ilhas Paradisíacas Portuguesas e não perder de vista

No meio do Atlântico, naquela que é a fronteira mais Ocidental da Europa, encontram-se os contornos dos jardins que, segundo a lenda, se desprenderam da mítica Atlântida e formaram o arquipélago dos Açores. 9 ilhas, Santa Maria, São Miguel, Faial, Flores, Terceira, São Jorge, Pico, Corvo e Graciosa, 9 paraísos para visitar e não perder.

Paz e sossego, flores nos campos, nas aldeias, nas casas. O azul e o verde de lagoas de sonho. Uma paz onde é possível parar para apreciar a boa vida. Tesouros de arte que lembram páginas da história dos séculos. A Natureza em todo o seu esplendor. Um convite para descobrir e viver um mundo diferente repetido em cada uma das nove ilhas do arquipélago!

Pico Island Views

Gostarias de aceitar o convite?

É normal, pois os Açores são realmente um destino paradisíaco.

Quando, em 1427, o navegador português Diogo de Silves avistou as ilhas de São Miguel e de Santa Maria, ter-lhes-á dado o nome da ave de rapina que aí existia: o açor.

Com o tempo, foram chegando os primeiros colonizadores (do Alentejo, Algarve, Minho e da Flandres) e descobertas as outras sete ilhas.

Hoje, o encanto dos Açores reside não só na sua paisagem, mas também nas suas gentes que, isoladas do resto do mundo pelo mar, souberam guardar a sua História e tradições intactas.

Uma viagem a este arquipélago pode muito bem revelar-se inesquecível, se souberes aproveitar bem o tempo de estadia para conhecer tudo. Nós damos-te uma ajudinha para não perderes nada!

ILHA DE SANTA MARIA

Maia, Santa Maria, Azores, Portugal

Se estiveres numa de praia podes aproveitar as que Santa Maria te oferecem: Figueiral, Prainha, Praia dos Lobos, Praia Formosa (entre outras) que, para além de serem óptimas para a banhoca, ainda são impecáveis para a prática de desportos aquáticos.

A Baía de S. Lourenço é um local que não deves perder, pois além do cenário lindíssimo que oferece, também possui uma praia de areia branca capaz de fazer corar de vergonha as das Caraíbas. Para coroar o bolo com uma cereja bem docinha, esta baía une-se ao Ilhéu do Romeiro que tem uma curiosa gruta com estalactites e estalagmites, acessível de barco e com cais interior natural.

Também vale a pena ver as Furnas que a actividade vulcânica das ilhas criou em Santa Maria.

ILHA DE SÃO MIGUEL

Lagoon of Fire (Lagoa do Fogo)-Sao Miguel Island - Azores

Também conhecida como Ilha Verde pelos seus verdes pastos, a Ilha de São Miguel é a mais populosa de todo o arquipélago.

Em termos de visitas, esta ilha está cheia de locais que simplesmente não podes deixar de conhecer. Um bom exemplo disso são as Sete Cidades, uma caldeira de 12 km de perímetro onde se encontram duas lagoas geminadas, a Lagoa Verde e a Lagoa Azul. Diz a lenda que os dois lagos foram formados pelas lágrimas de tristeza de uma princesa de olhos azuis e do seu apaixonado, um pastor de olhos verdes, no seu último encontro depois do rei ter proibido o namoro.

Igualmente única é a Lagoa do Fogo cujas águas transparentes e tranquilas mudam de cor conforme a incidência da luz solar.

Uma imagem que certamente te marcará, será a das Furnas de São Miguel. No meio de um exuberante jardim, encontras as Caldeiras das Furnas que são uma área de manifestações vulcânicas diversas, de onde brotam géiseres de água fervente e lamas medicinais.
E nas suas margens, vês as sulfataras vulcânicas e as “cozinhas naturais” em que se obtém o famoso cozido nas Caldeiras (enterrando no solo, em recipientes fechados e por algumas horas, os ingredientes a cozinhar).

ILHA TERCEIRA

Serra do Cume, Terceira

Se fores à Terceira não deixes de conhecer o Algar do Carvão considerado reserva natural geológica, formado por grutas com cerca de 100 m de profundidade, onde se podem ver majestosas estalactites e estalagmites e uma lagoa interior.

Se (infelizmente) não tiveres muito tempo para conhecer a ilha, passa pela Estrada das Doze Ribeiras que, ladeada por hortênsias, possibilita um dos panoramas mais bonitos sobre o oeste da ilha.

ILHA GRACIOSA

The Santa Cruz landscape on Graciosa Island[1]

A Furna do Enxofre é uma paragem quase obrigatória para quem visita esta ilha. Se a visitares entre as 11 e as 14 horas verás as belezas que o Sol faz surgir quando se reflecte nas suas paredes.

Se a viagem te cansar, podes sempre aproveitar e dar um saltinho até às Termas do Carrapacho que, com as suas águas sulfurosas, cloretadas, sódicas e alcalinas, só fazem bem.

ILHA DE SÃO JORGE

Pico Highlands View to Sao Jorge

Em São Jorge podes (e deves) conhecer as Fajãs, superfícies planas que se prolongam pelo mar, resultado de abatimentos da falésia. Se tiveres sorte, visitas uma das que têm frutos tropicais. Ou então tentas ir até à fajã da Caldeira do Santo Cristo que tem uma gruta submarina e uma lagoa e onde se criam amêijoas.

ILHA DO PICO

Back from the Azores island of Pico in a nutshell.

O seu nome tem origem na alta montanha que a domina e que termina num pico pronunciado, sendo o mais alto de Portugal (2351 metros). A costa da ilha é recortada, ora em pontas ou baías, ora em arcos de lava de que se salienta o conjunto rochoso do Arco do Cachorro (que recebeu o nome por ter uma formação curiosa parecida com o focinho de um cão).

O arrefecimento das lavas e as fugas de gases vulcânicos originaram o aparecimento de cavidades, que tomaram o aspecto de grutas revestidas de estalagmites e estalactites vulcânicas ou de extensos corredores que se entranham nas profundezas da terra. Assim, se te interessas pela espeleologia, só tens a ganhar se visitares a Furna de Frei Matias.

ILHA DO FAIAL

Towards Faial Island

O Faial tem a forma de um pentágono irregular em cujo centro está a Caldeira com 1021 m de altitude e sendo o seu ponto mais alto o Cabeço Gordo, com 1043 metros.

A cidade da Horta proporciona, pela sua situação geográfica, vistas sem igual da ilha do Pico e, por vezes, de S. Jorge.

A Ponta dos Capelinhos constitui um dos principais pontos turísticos do Faial, pois aqui pode-se admirar os efeitos da erupção de 1957/58, em que as cinzas vulcânicas cobriram casas e campos, alterando a paisagem.

O bar do Peter, junto ao porto, é o sítio predilecto de todos os navegadores que aqui chegam, devido ao seu gin tónico conhecido internacionalmente.
A ilha do Faial, guarda ainda alguns moinhos de vento que emprestam rara beleza a certos recantos da sua paisagem.

ILHA DAS FLORES

Ihla das Flores, Azores

As Flores são uma das mais belas ilhas dos Açores. No Verão a ilha é coberta por milhares de hortênsias azuis que dividem os campos ao longo das estradas, nas margens das ribeiras e lagoas. Não foi em vão que lhe chamaram Ilha das Flores.

A Rocha dos Bordões, um curioso fenómeno geológico originado pela solidificação do basalto em altas estrias verticais, formando um alto morro, é um espectáculo imponente. Nas proximidades da sua base, junto ao mar, as Águas Quentes, pequenas caldeiras de água sulfurosa fervente, recordam também a origem vulcânica da ilha.

As sete lagoas, na zona central da ilha, constituem uma paisagem magnífica e imperdível.

ILHA DO CORVO

Corvo island, Azores.

A mais pequena ilha dos Açores, o Corvo, tem como única povoação a Vila Nova do Corvo. A ilha é constituída por um cone vulcânico cujo cimo se abateu em forma de caldeira, formando o Caldeirão, que é uma cratera extinta.

Se quiseres voltar para casa com algo tipicamente açoriano, não podes deixar de ver o seu artesanato. Donos de uma flora riquíssima (onde, além das espécies tipicamente mediterrânicas, se encontram as mais belas e raras plantas – algumas das “importadas” dificilmente se encontram nos seus países de origem, hoje em dia) e com fortes tradições na pesca da baleia, os açorianos souberam aproveitar o isolamento das ilhas para aperfeiçoar o requinte das suas peças.

As flores de escama de peixe, os trabalhos em vime, os bonecos de palha de milho, os objectos de miolo de figueira, as esculturas em dente e osso de cachalote, os bordados, a cerâmica pintada à mão e muitas outras obras genuínas, são peças às quais os açorianos emprestaram um pouco da autenticidade insular.

No comments yet.

Deixe uma resposta

*