Sem depressão e vida sexual ativa com a Bupropiona

Cura da depressão

A Bupropiona® é uma solução para quem quer tratar a depressão, sem prejudicar sua saúde sexual.

Tratar e cuidar da depressão tem sido uma faca de dois gumes para a indústria farmacêutica. Isso porque boa parte dos remédios inventados ao longo dos últimos anos causa boa estabilidade mental às pessoas acometidas com o mal da depressão, porém, ao mesmo tempo, debilita sua saúde e seu apetite sexual.

Especialistas apontam que as mulheres são as principais afetadas pelos antidepressivos à venda no mercado. Já se sabe que a libido delas pode ser prejudicada de 30% a 60% com o tratamento medicamentoso, além de serem estimulados problemas gravíssimos como o Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo (TDSH), em que a mulher perde por total o desejo de fazer sexo e em que o próprio corpo deixa de receber estímulos ligados ao ato sexual.

Obviamente, minimizar a depressão é algo importantíssimo – já que 400 milhões de indivíduos no mundo todo sofrem com essa doença, 11% dos quais nem conseguem trabalhar por causa dela –, porém manter a saúde sexual também é algo fundamental. Mais do que uma atividade reprodutiva, o sexo retarda o envelhecimento, alivia o stress e ainda é ótimo para o coração e para o sistema imunológico. Sendo assim, a indústria farmacêutica tem tentado descobrir, dos mais variados modos, a solução para esse dilema. Afinal, como tratar a depressão sem prejudicar a vida sexual?

Uma das respostas encontradas foi a Bupropiona®, um antidepressivo potente que acabou transformando o combate contra esse distúrbio mental através de uma metodologia completamente revolucionária. Inventado na década de 60, mas só amplamente comercializado a partir de 1996, esse fármaco é diferente dos demais porque ele não inibe a serotonina, um neurotransmissor diretamente relacionado à depressão. Enquanto os outros medicamentos impedem que a taxa de serotonina caia, ele atua com a dopamina e a noradrenalina, as quais são responsáveis pela alegria e pelo bem-estar proporcionado em momentos felizes.

O remédio da satisfação e do prazer

Medicação Bupropiona

Atuando diretamente na noradrenalina e dopamina, a Bupropiona® mantém o prazer e a alegria.

Em outras palavras, o que isso significa? Simples, essa medicação tem como mecanismo de atuação evitar que a alegria e a felicidade passem. Afinal, no caso do depressivo, as taxas de noradrenalina e dopamina, quando esses hormônios são liberados pelo cérebro, são muito baixas, tão mínimas que a pessoa não consegue ter um bom humor por muito tempo. Pelo contrário, ao invés do bom humor, a tristeza se instala, invadindo a pessoa e tomando conta de todas suas atitudes e de toda sua rotina, de forma completamente descontrolada.

Sendo assim, a Bupropiona atua na manutenção desses hormônios, para que a pessoa se sinta mais motivada e tenha uma vida mais saudável. E esses hormônios são justamente os mesmos responsáveis pela sensação de êxtase e prazer na atividade sexual. Logo, a medicação, ao mesmo tempo em que torna estável o bom humor da pessoa, também mantém sua vontade por sexo e por outras atividades estimulantes, como sua paixão por esportes radicais, por comer e experimentar pratos saborosos, pelo cinema, pelo teatro e por conversar com pessoas e rir com elas – atividades essas que geralmente são perdidas com o avanço da depressão.

Os outros depressivos erraram e continuam errando ao focar seu arsenal na serotonina. Mesmo que tradicionalmente sua queda na corrente sanguínea seja associada ao aparecimento da depressão, mantê-la em altas taxas acaba suscitando o autocontrole sexual, já que uma das funções desse neurotransmissor é justamente reduzir a luxúria excessiva. Logo, com serotonina em alta, a dopamina e a noradrenalina ficam em baixa, trazendo consequências preocupantemente negativas para a vida sexual da pessoa que utilizar os antidepressivos clássicos.

 

Consulte o médico

Mesmo que a Bupropiona® tenha essa larga vantagem no mercado farmacêutico, ela só pode ser consumida depois de uma orientação médica. É um especialista quem poderá dizer qual o melhor fármaco para determinado paciente, considerando seu histórico e seu quadro de saúde. Logo, surgindo os primeiros sintomas da depressão, é altamente recomendável que se procure um médico para poder ser iniciado o devido tratamento contra a depressão.

No comments yet.

Deixe uma resposta

*