Três tipos de alisamento para seu cabelo

Não se pode negar que a aparência física é uma questão de grande relevância em nossa sociedade, e não se trata de algo fútil. Aparência não consiste em apenas um rosto bonito e um corpo em dia: ela reflete nossa personalidade e modo de vida.

Entre os “pequenos” detalhes que fazem toda a diferença em nossa imagem exterior estão os cabelos. E um tipo de cabelo muito buscado pelas mulheres e que atrai muitos homens é o liso, que nunca sai de moda e é extremamente prático. Mas, nem sempre nascemos do jeito que queríamos e, para quem tem cabelos naturalmente cacheados ou crespos, e sonha em vê-los lisos, a saída é apelar para os alisamentos capilares.
Entre os tipos de alisamento estão a escova progressiva, a escova definitiva e o Henê.

Escova Progressiva

A escova progressiva é um tratamento que modela os fios com o uso de uma chapinha e, através de alguma química com propriedades conservantes, conserva o cabelo no formato deixado. Na medida em que o cabelo é lavado, o produto é eliminado e o cabelo vai voltando à forma anterior, durando em média 3 meses.

Há vários tipos e marcas de progressivas, que promovem resultados diferentes, a depender da química usada (algumas alisam de verdade, outras apenas promovem a redução do volume dos fios).

É válido citar uma novidade no assunto: a escova progressiva a laser, que promete prolongar a duração do alisamento progressivo. Trata-se, na verdade, de um tratamento acessório, e não de uma técnica de alisamento em si (ou seja, pode ser utilizado de forma conjugada com qualquer progressiva). Após a aplicação do produto nos cabelos, são aplicados feixes de luz ultravioleta – aquela usada pelos dentistas! A ultravioleta não é laser, mas é apelidada como tal devido à aparência semelhante.
Mais detalhes sobre esta técnica podem ser visualizados neste post sobre a Escova progressiva a laser – photon hair.

Escova definitiva ou Alisamento Japonês

Ao contrário da progressiva, a escova definitiva modifica a estrutura dos fios, alterando seu formato permanentemente. As químicas normalmente usadas são consideradas “limpas” e, por incrível que pareça, agridem menos o cabelo do que as substâncias conservantes das escovas progressivas.

O liso não vai embora pelo ralo do banheiro conforme as lavagens: é literalmente definitivo. Mas isso não significa que o bulbo (que determina o formato dos fios que nascem) é alterado. Ou seja: o cabelo nascerá em seu formato original, razão pela qual a raiz deve ser retocada a cada três meses ou mais, dependendo de como forem os fios. Quanto mais crespos forem, mais visível será a diferença da raiz para o resto, demandando retoques mais frequentes. Se enjoar do liso, a única alternativa é cortar a parte alisada fora!

Para as permanentes há um cuidado necessário, de enorme importância: há três tipos de química que podem ser utilizadas (hidróxidos, tioglicolato e guanidina) e, uma vez feito o tratamento com uma dessas químicas, você deverá usar a mesma em futuros alisamentos. Isso se deve ao fato de que as substâncias em questão são incompatíveis entre si. Caso essa regra não seja seguida, poderá ocorrer o corte químico (quebra dos fios próximo a raíz, algo gravíssimo).

É interessante mencionar, ainda, que há uma química ideal para cada tipo de cabelo. Mais informações sobre isso podem ser visualizadas neste artigo específico sobre a escova definitiva.

Henê

O Henê não é exatamente um tipo de alisamento, mas sim um produto específico. Este cosmético está no mercado há mais de 50 anos e tem como característica o fato de não só alisar as madeixas, mas também as colorir (com as seguintes opções: castanho, preto e tons avermelhados).
A química responsável por isso é o pirogalol, que é liberada pela ANVISA e não faz mal algum à saúde. Isso seria perfeito se não fosse por uma peculiaridade: seus efeitos (alisamento e coloração) são indissociáveis, o que pode ser algo indesejado por muitas pessoas que querem manter a cor de suas madeixas.
Ademais, o Henê apresenta um resultado semelhante ao da escova definitiva: o liso só sai da cabeça com o corte, não sendo eliminado com as lavagens.

Dito isso, cumpre a cada um decidir qual é o tratamento ideal para seu caso, com o auxílio de um profissional e levando em conta os seguintes fatores na hora da escolha: se deseja um liso permanente ou temporário; se quer mudar a cor do cabelo; se já utilizou alguma química antes; se o cabelo está saudável ou danificado e qual é o formato original dos fios.

No comments yet.

Deixe uma resposta

*