Vai viajar? Entenda mais sobre o seguro viagem!

Quando se vai fazer uma viagem você precisa pensar muito além do que somente na proteção do seu carro, pois a proteção do veículo é importante, mas a sua é ainda mais. É por isso que existe o seguro viagem.

Algumas dores de cabeça, durante as férias, são inevitáveis, como a decorrente da comida exótica e condimentada que você tinha que conhecer, de determinada região, ou as que chegam ao fim de tarde, após um dia inteiro dourando a pele à beira-mar naqueles cenários que parecem saídos de filmes.

Outras cefaleias, por sua vez, são perfeitamente evitáveis – e sem a ajuda de farmacológicos. Trata-se do seguro viagem, uma comodidade oferecida a viajantes com o espírito explorador vívido e audaz, mas que sabem proceder com cautela e segurança de destino em destino.

Viagens em famílias e mochilões solitários ou entre amigos, por exemplo, são bem-vindos a acolher os benefícios do seguro viagem, e, antes de mais nada, é preciso entender como funciona essa proteção para quem vive de malas prontas.

Conheça mais sobre o seguro viagem

O seguro viagem costuma oferecer, obrigatoriamente, uma série de proteções, como em riscos de morte acidental e invalidez parcial, total ou permanente. Sua cobertura é ampla e variada, visando atender a todo tipo de solicitações turísticas.

Outras amenidades pertinentes a esse tipo de apólice é a cobertura em casos de extravio de bagagens, por exemplo, além de outros tipos de assistência, como odontológica emergencial, caso de perda de documentos e, em alguns casos, até mesmo passagens de ida e volta para algum familiar – para casos de urgência.

Os valores cobrados para essa segurança emergencial variam bastante, tudo de acordo com a sua viagem, como as coberturas previstas em contrato, a duração da viagem e, também, o seu propósito de viagem – além da idade, analisada com mais atenção para passageiros com mais de 70 anos.

A obrigatoriedade ou não do seguro viagem

O seguro de viagem não é obrigatório para o viajante, com exceção de Cuba, que exige do turista a contratação desse tipo de assistência, sendo, inclusive, checada na alfândega, durante a entrada no país. No entanto, o Ministério das Relações Exteriores atenta a todos os viajantes que entrem em contato com as Embaixadas ou, ainda, com alguma representação consular do país que pretende visitar, e solicite detalhes referentes à contratação do seguro de saúde, a cobertura básica e primordial de qualquer seguro de viagem.

Outros países da Europa, por exemplo, que fazem parte do Acordo Schengen (sendo seus representantes a Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Islândia, Itália, Luxemburgo, Noruega, Portugal e Suécia), já pedem do viajante um seguro de saúde com cobertura de 30 mil euros, no mínimo. Valores inferiores a esse, no seguro, são desconsiderados pela perspectiva desses países. Esportistas, por sua vez, podem ter maior interesse em encontrar as melhores coberturas assistenciais, quando se aventuram em outras terras, seja para a prática de esportes radicais.

A adrenalina pode sair caro para quem não se precaver e, por isso, já existem uma série de coberturas do seguro de saúde que é relacionada, exclusivamente, aos amantes dos esportes radicais – e, principalmente, quando eles têm em vista a participação em algum evento esportivo internacional. Aí, passa a ser obrigatória a contratação de um seguro especializado nesse segmento.

No comments yet.

Deixe uma resposta

*