Prontuário eletrônico já adotado em vários estados brasileiros

Mostrando-se uma alternativa para ajudar no tratamento de saúde, o prontuário eletrônico já está em fase de implementação em diferentes cidades e órgãos do país. Trata-se de um meio digital em que é possível armazenar informações sobre o paciente, que incluem dados sobre o tratamento, exames e demais dados para auxiliar o tratamento. O prontuário eletrônico também se mostrou muito vantajoso em relação ao prontuário físico e por essa razão já foi adotado em diferentes situações.

Informatização na saúde

Tido como um avanço em determinados locais, o prontuário eletrônico pode ser implementado para a reestruturação do sistema de dados coletados junto aos pacientes, sendo determinante para o monitoramento e análise dos parâmetros de saúde. Dessa forma é possível dinamizar pesquisas, avaliações e direcionamento quanto aos recursos. Esta é uma das formas de uso em larga escala, que também servem para destinar valores para a melhoria das condições da saúde pública.

Um modelo semelhante foi usado pela Secretaria de saúde do Estado de Santa Catarina. Desta forma, foi desenvolvido um sistema de prontuário eletrônico para o recolhimento de informações sobre os moradores do estado. As informações serão captadas por Agentes Comunitários de Saúde (ACSs) de forma semelhante ao Censo. Eles irão em todos os municípios coletar informações sobre os moradores, individualmente, visando o monitoramento de cada um.  O prontuário foi desenvolvido no mesmo sistema  do e-SUS Atenção Básica (e-SUS AB).

Uso mesmo onde não há acesso a computadores

e-sus

O e-SUS é um prontuário eletrônico desenvolvido pelo Departamento de Atenção Básica para reestruturação das informações da Atenção Básica em todo o país, visando a reestruturação dos Sistemas de Informação em Saúde do Ministério da Saúde. Dessa forma, é possível dinamizar os atendimento, levando em consideração que a qualificação da gestão da informação é muito importante para ampliar a qualidade no atendimento à população.

Mesmo nas cidades em que há carência de computadores é possível implementar o e-SUS, desde que os dados sejam armazenados de forma a serem utilizados quando houver a informatização do sistema. Para implementar o sistema, as prefeituras juntamente com a secretaria de saúde devem solicitar ao e-sus, que irá viabilizá-lo, contudo é preciso organizar o processo de aprendizado dos servidores.

Tratamento da dengue

combate a dengueUm tipo específico de prontuário eletrônico também foi implementado pela Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro para a o diagnóstico de dengue. Os hospitais de cidades como Campo dos Goytacazes que receberem pacientes com a doença e que estejam em estado grave irão comunicar imediatamente ao Centro de Referência da Dengue (CRD). A partir daí o CRD fará a coleta das amostras de sangue, confirmando o diagnóstico da doença.

O novo protocolo eletrônico permitirá o acesso rápido e preciso aos dados referentes ao paciente, tanto da rede pública quanto da rede particular. Os dados armazenados serão enviados para o Centro de Referência da Dengue (CRD) e para o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). A partir daí serão formuladas ações de vigilância ambiental à residência do paciente, a fim de intensificar o combate e a prevenção da doença. Segundo o secretário de Saúde e vice-prefeito Francisco Oliveira de Campo dos Goytacazes  “Com o prontuário, a propagação da doença é menor”.

No comments yet.

Deixe uma resposta

*